Viajando com a bike

O cicloturismo é um ramo que vem crescendo com força total. Já consolidado na Europa há anos, este tipo de turismo vem ganhando força  no Brasil com a popularização do ciclismo. Países como Itália, França, Espanha e Portugal são destinos conhecidos e muito procurados pelo mercado, principalmente pela tradição que têm no esporte. Vale ressaltar que dentro do mercado do cicloturismo há vários ramos, como o esportivo e o de lazer, que estão relacionados com a forma como o ciclista vive o esporte.

O segmento conhecido como cicloturismo esportivo é aquele no qual os atletas preferem se desafiar e se aventurar no esporte em si, geralmente para alcançarem metas pessoais. Estes procuram destinos mais radicais e aventureiros como as regiões de montanhas nos Alpes e Dolomitas ou lugares que consigam unir a viagem com provas como Giro d’Italia e Tour de France.

Já o cicloturismo de lazer é voltado para um novo modo de viajar, para fazer amigos e adquirir experiências. Nesse modelo, os atletas buscam lugares aos quais eles se identifiquem, um exemplo marcante é a Toscana, na Itália.

Dani Mattos e o marido, Mauro Mattos, na Soul Race Trip Roma

Independente do tipo de turismo escolhido, pedalar durante a viagem é sempre uma vivência nova. A ciclista da Soul Race, Dani Mattos, já viajou para diversos lugares com a bike, como Toscana, Bourdeaux, Dordonha, Piemonte, Chile, NY, Porto e outros. Para ela, cada viagem é uma novidade. “A parte mais legal dessa experiência com o cicloturismo é fazer novas amizades. Você acaba dividindo o suor, as experiências, o pneu furado, o gatorade, etc. Cada dia é uma nova experiência”.

Além disso, as viagens de cicloturismo também podem ser feitas em família. De acordo com Cecília Rocha, sócio-fundadora e atualmente diretora da Italy Bike Tour, “a maior parte das viagens prevê a atividade esportiva pela manhã, com retorno para o almoço. Desta forma, o ciclista terá a manhã para se dedicar ao pedal, retornando para o almoço em família e atividades nos arredores”.

É possível dividir o tempo para curtir o pedal e ainda  aproveitar um programa com os filhos, marido e esposa. “é uma maneira das famílias interagirem e também se encantarem pelo ciclismo”, brinca Dani, que já está se planejando para levar a família para Orlando, na próxima Soul Race Trip, em março.

Assim como ainda há incertezas sobre o cicloturismo, muita gente ainda não conhece ou tem dúvidas sobre esse “novo” modelo de viagem. Por isso é importante que existam ações que expliquem e incentivem essa prática.

Atletas SR em Roma, Itália

É nisso que acredita Gianluca Catignani, bike guide da agência especializada em viagens de cicloturismo, Bike Division, “Campanhas de comunicação explicando melhor o que é cicloturismo são importantes, destacando como é inovador conhecer lugares de uma maneira distinta, ativa e com um impacto ambiental positivo”.

A Soul Race acredita nessa proposta, por isso trabalha com os Soul Race Trips, que acontecem em diversos países, como Itália, Portugal e EUA. “Movimentos como a Soul Race Trip são essenciais para o desenvolvimento deste setor. Eles são o elo entre a operadora e o ciclista, pois são os leitores das necessidades e exigências dos clientes”, afirma Cecília, da Italy Bike Tour, parceira SR em Portugal.

Soul Race Trip Portugal

Para fechar, pedimos algumas dicas aos nossos entrevistados para você se preparar para sua viagem no pedal:

  • Defina seu tipo de pedal (lazer ou esportivo)
  • Procure empresas que conheçam o ramo, de preferência indicadas por quem já fez esse tipo de viagem

“Primeiro penso que a pessoa precisa definir o tipo de pedal que quer fazer. Definido o destino da viagem e o foco, procurar empresa séria, que já conheça bem o destino, que vai lhe oferecer suporte operacional, guias ciclistas, informações das distâncias percorridas por dia, etc”, diz a atleta Dani Mattos.

  • Pesquise sobre as regras de trânsito do lugar escolhido
  • Prepare sua mala. Leve roupas e acessórios extras, para não passar sufoco

“Os cuidados principais são sempre respeitar as regras de trânsito. Em alguns países, como a Espanha, o ciclista é multado na hora se não observar as regras do trânsito e mobilidade. Outro fator importante é escolher roupas adequadas para os pedais, até de maneira preventiva para eventos inesperados, sobretudo quando se pedala nas altas montanhas como Alpes e Dolomitas”, garante o experiente Gianluca.

  • Procure sempre referências de pessoas em quem você confie na hora do pedal
  • Pesquise e se aconselhe sobre empresas especializadas na área

“A melhor forma é procurar o referente do seu próprio grupo de pedal ou treinador. Eles poderão te auxiliar na escolher” fecha, Cecília Rocha.

Além disso, o mais importante de tudo: divirta-se. Pedale, aproveite muito, sinta o vento, faça novas amizades, explore tudo que conseguir. Curta a experiência ao máximo possível!

Deixe um comentário